Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

Cupido.jpg

 

 

Boa noite.
A remexer nuns e-mails reencontrei esta história e acho gira a ideia de a partilhar convosco.
É uma tentativa de conseguir um estágio profissional e os oito obstáculos colocados pela agência que refiro no texto dizem respeito à obrigatoriedade de escrever as seguintes palavras/expressões no mesmo:
Leitão,Rato,Índio,3º andar sem elevador,portas,Beyond-the-line,Cupido e Ah pois é!

 

"A História da moçoila que deu de caras com o (a) Cupido"

 

Era uma vez uma moçoila de nome Inês que estava a terminar o curso de Jornalismo e Comunicação na Escola Superior de Educação de Portalegre.
Segundo os pais, as primeiras palavras que disse foram escrever e publicidade (nesta ordem) e desde então são elas o sinónimo dos seus objectivos, tal como a força nas dificuldades para chegar até aqui.

 

Ao procurar um estágio na área da comunicação Inês deparou-se com a Cupido, única agência que verdadeiramente marca a diferença e desata o laço onde estão guardadas a envolvência e a proximidade marca-target. É esta a que lhe interessa e a que a desafia a ultrapassar oito obstáculos para tentar alcançar as nuvens. Resumindo, a moçoila levou a vida inteira a escrever e agora sente-se como um leitão da Bairrada antes de ir ao forno, com medo de não estar à altura.

 

Nada mais natural pois as palavras adequadas que reflictam a essência de um contexto têm de surgir naturalmente. O medo não vem delas nem é por elas, mas do quão importante é elas dizerem o que os Deuses gostariam de ler. Para dizer a verdade as palavras acalmam-na, preenchem-na, tal como a apaixonam e a divertem. A publicidade fá-la sentir o mesmo, mas na ordem inversa, ou seja, a originalidade deve estar aliada ao humor e a ousadia à simplicidade, sempre com a perspicácia de Cupido, que dispara a seta, acerta no alvo, apaixona e cria o laço. Sempre certeiro. Nem em baixo nem em cima da linha...como todos (coitada da linha..)...but just Beyond-the-line.

 

Ao perseguir o Deus do Amor até às suas nuvens na Internet, Inês encontrou um sítio original, onde os seus residentes se apresentam despidos de preconceitos, tal como um índio que se preze, o que a conquistou.
Sem presunção gostaria de terminar de narrar esta história com o final feliz onde Inês (prima de João sem Medo e de Rato Mickey) chega à porta de um prédio com um 3º andar sem elevador, sobe as escadas de três em três, aterra nas nuvens e exclama: - Ah pois é!!!

 

Moral da história: Inês gostaria imenso de fazer parte do vosso Olimpo!

 

Espero que tenham gostado da minha história e que esta me ajude a "ganhar asas" até vocês!

 

Obrigada, aguardo a vossa resposta.

Bons disparos,
Inês Franco Galego

 

E não,não fiquei com o estágio.Mas encontrei o verdadeiro Cupido...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 17:53




Comentários recentes



Mais sobre mim

foto do autor